Translate

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Quem é este pokémon?


Quem é este satanás
que insiste em roubar
a minha paz?
Será aquele que não gosta
de mim e da minha família?
Ou aquele que falsamente
se diz amigo, mas sonha
em brindar à minha agonia?
Seja quem for,
já não me interessa mais...
Sendo bom ou mau,
um dia todo mundo jaz.
No meio de toda esta loucura
a morte vem e nos captura,
simplesmente, sem aviso,
com seu fatal sorriso...

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Meu livro




Estou lançando pelo Instituto Memória o livro MUNDO IN VERSO... Quem é de Curitiba-Pr está mais do que convidado(a) para participar deste momento especial. Quem for de outras localidades também, porém, sei que distância pode ser algo um pouco complicado. Por isso, quem não puder comparecer e tiver interesse de comprar o meu livro pode acessar o site  www.institutomemoria.com.br - após o dia 23/08/2017 - para efetivar a compra ou entrar em contato diretamente comigo através deste blog ou do meu e-mail pessoal (perigor.final@gmail.com).

domingo, 9 de julho de 2017

Poemoça


Sem notar ela me tira o ar
pelo simples fato de passar...
Se pudesse chegar nela
e sentir a sua boca,
escreveríamos um romance
- mesmo que sem roupa...
Sem nossos tecidos
nos vestiríamos apenas
com nossos sentidos
num corpo só.
Mas ela não tem dó
nem sonha que tira minha paz
pelo simples fato de ser
perfeita demais.
Perfeita para mim
do jeito que eu sempre quis
em meus sonhos mais íntimos
de um dia ser feliz.
Aquela moça merece tudo,
tudo que não cabe no mundo,
tudo que não cabe num poema...
Na verdade ela é tudo,
ela é o meu mundo,
ela é o mais belo poema...
É uma poemoça
que não consigo ler a fundo...
Que pena!...

terça-feira, 20 de junho de 2017

Caixinhas de fósforos


Cada prédio da cidade
abriga algum capricho;
um fogo que invade;
uma felicidade;
um riso;
um sonho adormecido
que cresce feito pão
a cada noite que nasce
face a face 
a cada dia são,
a cada passo a passo
no ritmo e no compasso
do pulsar do coração...

quarta-feira, 14 de junho de 2017

e


Gente estressada...
Se estressa por nada.
Mal sabe que a flor
que desabrocha formosa
é resultado do tempo;
da hora que não é a nossa,
porém, todavia é exata...
Espera que nos mata
- entre o espinho e a rosa.

Gente estressada...
Se estressa por nada.
Mal sabe que a balança
geralmente pende
mais para a fossa
e que o presente é somente
uma nota que toca
na sinfonia da vida
- entre o espinho e a rosa.

Gente estressada...
Se estressa por nada.
Mal sabe que entre
o espinho e a rosa
desta vida penosa,
está o centro do ser,
o nosso ponto G:
onde a alma goza
sem ninguém se meter...



segunda-feira, 29 de maio de 2017

Aquela mulher


Aquela mulher judia
judia de mim
com a sua agonia
muda no jardim,
por seu olhar amargo
de desespero
sem fim...

Aquela mulher judia
judia de mim
pelo modo como vive
sem liberdade, enfim,
por ter que sempre se explicar
pelo que fez ou não fez -
tim-tim por tim-tim.

Aquela mulher judia
judia de mim
por ter que suportar o peso
de uma convenção imposta
- mesmo que ruim -
e ter que achar bom
sobreviver assim.

Aquela mulher judia
judia de mim
por sua beleza escondida
em seu traje chinfrim
e pelo modo como encara
a própria desgraça
com alma de querubim.

Aquela mulher judia
judia de mim
pelo jeito como desfila
tal qual uma manequim
na passarela do meus sonhos,
com seu perfume de jasmim
embalando meus neurônios ...








terça-feira, 25 de abril de 2017

Um poema, simplesmente



Quero um poema diferente
do olhar de quem é indiferente...

Quero um poema que enfrente
qualquer problema e não lamente...

Quero um poema que somente
pense, repense e siga em frente...

Quero um poema que represente
a trajetória da vida em minha mente...

Quero um poema bem latente
feito flor dentro da semente...

Quero um poema que contemple
o universo, o mundo e minha gente.

Quero um poema bem paranaense:
com sabor e som de “leite quente”...

segunda-feira, 27 de março de 2017

Re verso


“Oh! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida” (...)

Assim, como o saudoso Casimiro
sinto saudades da minha infância...
Lembro da mesma a todo instante
em praticamente tudo que miro.
Porém, o que mais me faz falta
é justamente a inocência perdida
que me permitia acreditar em heróis
narrados em histórias infantis.
Heróis tão ficcionais
e ao mesmo tempo tão reais.
Em meio a tantas histórias
a que mais me chamava a atenção
era a de Robin Hood:
que roubava dos ricos
para dar aos pobres...
Robin Hood herói ou anti-herói?
Aprendi desde cedo
que roubar é errado,
mas no caso de Robin Hood
havia uma aura de caridade
em tentar diminuir o abismo social
entre os mais favorecidos
e os bem menos favorecidos...
Talvez ele fosse um anti-herói,
mas para mim era um herói.
Hoje, adulto, vejo que algo aconteceu
na sociedade, na história, no tempo...
Algo que mudou o nosso trajeto
na linha da evolução.
Robin Hood de mito
 passou a ser real.
Hoje ele é vilão...
Rouba dos pobres para dar aos ricos.
Rouba em impostos, corrompe e é corrompido,
faz de tudo para ter poder...
Este Robin Hood não tem coração
e muito menos consciência...
Sacrifica os seus pelos seus erros,
assalta e muda para pior a Previdência.
Quem é este Robin Hood?
Quem é este ser tão vil
que destrói o Brasil
 (apoiado pela mídia)
ou na calada da madrugada
com combinações secretas
e desvia a cada dia
o rumo da Ética, da Justiça,
da Ordem, do Progresso
e até o nosso itinerário?
Este não pode ser Robin Hood...
Este só pode ser
o Robin Hood Ao Contrário.

terça-feira, 21 de março de 2017

Um ano de blog - agradecimentos e reflexões


Ontem - dia 20/03 - com a chegada do outono comemoramos um ano de blog. Devido a correria não pude agradecer a todos que prestigiam e/ou prestigiaram o meu blog ao longo deste tempo - uma vez que tenho que trabalhar como a maioria das pessoas para sobreviver. Com postagens esporádicas e sem investir um centavo em propaganda o blog obteve um total de 10.500 visualizações neste período, sendo que poesia não é algo - a princípio - comercial, porém, na minha concepção, ela é vital. O blog em questão além de servir para divulgar um pouco da minha obra no meu país de origem, tinha como missão levar a poesia a diversos lugares do mundo. Neste quesito, posso dizer que a missão foi comprida e cumprida. Como alguns países que prestigiaram o blog posso citar além do Brasil: Estados Unidos; França; Portugal; Alemanha; Índia; Colômbia; Argentina; Rússia; Chile; Canadá; Arábia Saudita; Suazilândia; Suíça; Marrocos; Equador; Singapura; Romênia; México; República Dominicana; Bélgica; Reino Unido. Abaixo as respectivas bandeiras destes países. Valeu a todos e vamos aguardar os próximos capítulos... 
























segunda-feira, 20 de março de 2017

Aqui poesia é coisa de família...

Recebam o poema de minha digníssima Eliane Veiga.


Uma chance

Me dê uma chance
de ser atriz
para representar
alguém feliz
solto pelo ar...

Me dê uma chance
de conversar
vis-à-vis
em um jantar
a luz de velas
n’uma noite gris...

Me dê uma chance
de me aposentar
em meu lar
com um amor
bom para amar...

Me dê uma chance
de não julgar
os meus próprios erros
ou os erros de alguém
pois não sabemos
quem é quem...

Me dê uma chance
para viver um romance
de qualquer gênero,
pois tudo que acontece
simplesmente é efêmero.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Mulheres pela Paz - Augsburg (Alemanha)




Liliana Esperanza- Rojo


ANTOLOGIA EXTRAORDINÁRIA NA FÉNIX - "MULHERES PELA PAZ" - MARÇO - AUSBURG (ALEMANHA)


COORDENAÇÃO DE CARMO VASCONCELOS COM A POETA E EMBAIXADORA DA PAZ ALEXANDRA MAGALHÃES ZEINER... 

Abaixo segue o link do meu poema "Aquela mulher" que está presente neste grandioso empreendimento que valoriza a mulher em suas diversas facetas... Para acessar a página, copie o link abaixo na barra de endereço.


http://www.carmovasconcelos-fenix.org/LOGOS/PAZ-2017/PAZ17-26.htm

A arte de ficar


Fiquei isento
de sentimento
quando o amor se foi
feito as horas
no tempo
ou as nuvens
ao vento...

  Fiquei insensato
diante do fato
de que ninguém
liga para quem
está ao lado
e que é preciso amar
para ser amado...

Fiquei insatisfeito
quando o amor
não tinha jeito
para os que amam
e despertam mais cedo
da ilusão de um sonho bom
para um abismo de medo...

Fiquei insurgente
ao notar a triste solidão
no rosto de tanta gente
que simplesmente vive em vão
tentando agradar quem não merece
o mínimo de atenção ou de amor,
enquanto a vida segue sem cor...

Fiquei surpreso
ao provar a dor
e a delícia da química
do beijo perfeito;
capaz de (a) trair e libertar
o amor adormecido ou preso
no fundo do (res) peito.